Warning: A non-numeric value encountered in /home/storage/2/cd/76/leandrodaniel/public_html/wp-content/themes/Divi/functions.php on line 5806

Até aqui vimos um pequeno conjunto de métricas simples que podem ser extraídas do código-fonte de um software. São elas:

Métrica Descrição O que ela mostra?
LOC linhas de código contagem do número de linhas (classe, método ou assembly)
CC complexidade ciclomática contagem do número de caminhos de execução possíveis dentro de um código (comumente usado em métodos)
Ca acoplamento aferente representa a contagem de quantas classes diferentes referem-se à classe atual, por meio de campos ou parâmetros
Ce acoplamento eferente representa a contagem de quantas classes diferentes a classe atual faz referência, por meio de campos ou parâmetros

Tendo em mente a diferença entre medida, métrica e indicador, estamos habilitados a compor alguns itens interessantes como, por exemplo, um indicador de qualidade. Sendo assim, que rufem os tambores, pois veremos um exemplo de…

Indicador de "nível de instabilidade de um assembly"

Embalado pela pergunta feita pelo mestre @vsenger nos comentários do post anterior, vou focar o exemplo na análise de componentes (estou considerando que os mesmos estão divididos fisicamente em assemblies, ou logicamente em namespaces – para linguagens como Java ou C#).

Além de ser viável medir o acoplamento, complexidade e tamanho de assemblies utilizando as 4 métricas apresentadas, é possível combiná-las a fim de obter a compreensão de uma determinada característica do software. Para compreendermos a criação de um indicador, é necessário aplicar diversas disciplinas que orientam e embasam as atividades envolvidas nessa tarefa. Uma alternativa é utilizar indicadores de mercado, que já foram trabalhados e validados em contextos semelhantes ao que você pretende utilizar.

Robert Martin (a.k.a. Uncle Bob), em seu excelente livro Agile Software Development: Principles, Patterns, and Practices in C#, teorizou que um assembly é considerado estável se seus tipos são usados ​​por um grande tipo de assemblies de terceiros. Por outro lado, se um assembly contém muitos tipos abstratos (ou seja, interfaces e classes abstratas) e poucos tipos concretos, ele é considerado abstrato.

Com base nas teorias do Uncle Bob, foi criado o indicador I (instabilidade, do inglês instability). Veja que interessante os passos para obtenção deste indicador:

  1. Mede-se o acoplamento eferente (Ce) de um assembly;
  2. Mede-se o acoplamento aferente (Ca) deste mesmo assembly;
  3. Com os resultados anteriores, obtém-se a proporção de acoplamento eferente (Ce) para o total de acoplamento (Ce + Ca).

Ou seja:

I = Ce / (Ce + Ca)

Onde podemos aferir que:

O intervalo para este indicador é de 0 a 1, com I = 0 indicando um assembly completamente estável e I = 1 indicando um conjunto completamente instável.

Simples e significativo!

Utilizando o indicador na prática

Tomemos como exemplo a Enterprise Library para avaliar a dependência entre os assemblies e os respectivos graus de instabilidade. Vamos analisar o gráfico de dependência entre alguns assemblies, logo abaixo.

Medindo a instabilidade de cada assembly obtemos:

Update (01/05/2012): Valores de (I) e considerações.

Assembly Alias (I)
Microsoft.Practices.EnterpriseLibrary.Common Common 1
Microsoft.Practices.Unity Unity 0,54913
Microsoft.Practices.Unity.Interception Interception 0,9759
Microsoft.Practices.ServiceLocation Service Location 0,78261

Analisando os resultados:

  • O assembly menos estável do conjunto é o Common;
  • O assembly mais estável do conjunto é o Unity;

A princípio, o assembly Unity parece ser muito mais fácil de manutenir que os demais, já que é mais estável, correto? Pois a resposta é…

Sim e não!

What?!? Are you kidding me?

Olha só, em algum momento nós definimos qual seria o item de qualidade que queríamos avaliar antes de montar o indicador? E mais, por acaso estipulamos o que significa qualidade em nosso contexto? O que significa um código fácil de manutenir?

Percebam que, propositalmente, fui exercitando a lógica de criação e uso do indicador sem definir antes os seus objetivos. Esse indicador não nos diz muita coisa sem um contexto bem definido de uso. Big mistake!

No próximo post, veremos que a análise da pergunta "Qual assembly é mais fácil de manutenir?" pode ter várias respostas dependendo do contexto. Até lá! 😉